segunda-feira, 30 de abril de 2012

Nós






Nós

(08.11.2010)



Se de manhã

Me sinto mais eu

E se dentro de mim

Sinto mais a manhã

A cada nova manhã,

Então a cada nova manhã

Sou mais eu



E eu me permito

Ser cada vez mais eu

A cada nova manhã



E me permito mesclar

As minhas novas manhãs

E os meus mais eus’

Às novas manhãs

E aos novos mais ‘eus’

De quem me acolhe

Depois que o dia já vem

Mais ele

Mais dele



Benditos dias

Que se refazem comigo

Depois de cada nova manhã

Depois de cada ‘mais eu’

Depois de cada ‘mais nós’



Nós que se perpassam

Que se entrelaçam

Na magia

De cada novo dia

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Espreita a noite



 




Espreita a noite



A noite espreita

Se ajeita

E deita sobre o dia



Já faz penumbra

Jaz a sombra 

Que assombra quem procura

A estrada escura agora

Nada mais estrada

Parada



Mas não demora o dia

Que também espreita

Se ajeita

E deita sobre a noite

Pra estrada andar

De novo

Pra nada desviar o novo

Que precisa andar

Pra nada mudar

Sua rota

Sua meta

Seu rumo

Rumo à libertação...

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Doce, meiga, amiga






Doce, meiga, amiga

 Primeiro
Vendo teu aceno
Doce, meigo, amigo

Depois
Ouvindo tua voz
Doce, meiga, amiga

E agora
Recebendo teu abraço
Doce, meigo, amigo...

Só pode
Dar numa conversa
Doce, meiga e amiga

Que bom ser tua irmã

Obrigada por seres
Tão doce
Tão meiga
Tão amiga




terça-feira, 24 de abril de 2012

Só mesmo?





Só mesmo?



Sentir só?

Intuir só?

Só desejar?

Sem realizar?



Sem mesmo sonhar

Com a possibilidade

Do sonho ser realidade?

Ser real?



Afinal....

Sonho é feito pra sonhar



O real...

O realizar...

É outro sonho!



Mas

Sábia a pessoa

Que disse um dia

Que é preciso

Colocar metas

Nos nossos sonhos

domingo, 22 de abril de 2012

Ahh, se a saudade matasse





Ahhh, se a saudade matasse!

(lembrando os tempos do Prô -Instituto Pré-Teológico- de onde trago o apelido de Lola)



Ahhh, se a saudade matasse

Mataria a gente

Que sente

Que foi bom

Porque foi na amizade

Na solidariedade

Na vontade de dar certo



Ahhh, se a memória falasse

Falaria noite e dia

Daqueles dias

E noites...

Daquela saudade

Que arrasa

Longe de casa



Ahhh, se a amizade não fosse

Do jeito que foi

Se ela não tivesse agido

Do jeito que agiu

Se ela não tivesse sobrevivido

Do jeito que sobreviveu

Não teria memória pra falar

Não haveria saudade pra matar

Não teria graça a vida

Não teria...



Valeu à pena

Cada minuto

Que convivemos



Que pena

Não podermos

Conviver mais


Muito mais

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Rosas, lazer e prazer






 


Rosas, lazer e prazer


(Lola, nos anos 80)

 


Me disseram que as rosas não contam


Não contam porque nem espantam o frio

Nem matam a fome

Me disseram que as rosas são supérfluas

E que por isso

Não é preciso o povo ter jardim

Pra poder planta-las

E nem um salário suficiente

Pra poder compra-las



Me disseram que o lazer não conta

Não conta porque nem espanta o frio

Nem mata a fome

Me disseram que o lazer é supérfluo

E que por isso

Não é preciso o povo ter tempo

Pra poder curti-lo

E nem direitos

Pra poder exigí-lo



Me disseram que o  prazer não conta

Não conta porque nem espanta o frio

Nem mata a fome

Me disseram que o prazer é supérfluo

E que por isso

Não é preciso o povo ter condições

Pra poder vive-lo

E nem sabedoria

Pra poder valoriza-lo



Me disseram tanto, tanto

Mas não me provaram nada



Pra mim

Continua assim

Que também as rosas

O lazer

E o prazer

Espantam o frio

E matam a fome

O frio de uma vivência inerte

E a fome por uma vida abundante


quarta-feira, 18 de abril de 2012

Tem espinho










Tem espinho

Tem espinho
No caminho.

Se o pé
For descalço
O caminho realça
O espinho

Mas
Prefiro o pé
Ferido no espinho
Ao pé
Ferido no sapato
Apertadinho
Do comodismo
Do mesmismo

terça-feira, 17 de abril de 2012

Tem um muro entre a gente












Tem um muro entre a gente



Tem um muro entre a gente

E por mais que a gente tente

O muro continua aí

Potente

Separando a gente da gente

Distanciando

O que junto está

Divorciando...


Tem um muro entre a gente!

A gente não o vê

A gente o sente

E como sente!!!


Tem um muro entre a gente!

E por mais que a gente tente

Escalar

Ou derrubar,

Ele continua lá

E mais separa

E não pára

De ser muro...


Tem um muro entre a gente!


Quero te alertar

Mas tem um muro

entre a gente!


Quero te falar

Mas em um muro

entre a gente!


Quero olhar

No teu olhar

E sentir a intensidade

Do seu brilho

Mas... infelizmente

A verdade é

Que tem um muro

entre a gente!


Tem um muro entre a gente!

E por mais

que a gente tente...


A gente tenta??!!

domingo, 15 de abril de 2012

Pode?






Pode?
(16.01.2008)

Pode
O verde da mata
Espetar
O azul do céu?

Pode?

Pode
O branco
Das nuvens em flocos
Lambuzar
A imensidão do infinito
Com seus bonitos
Flocos de algodão?

Pode?

Pode
O marrom da terra
Subir a serra
Entre os verdes dos pinhais
Que sensacionais
Contrastam
Com o azul do céu
O azul do céu
Que qual véu
Me envolve
E me devolve
A paz?

Pode?

Pode!
A natureza pode!
 

sábado, 14 de abril de 2012

Chuva!


Chuva!
(Lola, 28.01.2008)

 



Bênçãos tantas
Ganham as plantas
Nesta manhã

Banhos de chuva
Banhos de bênçãos
Banham as manhas
Desta manhã

Banham
As minhas manhas...


Oiiii! Que bom que estás aqui comigo. Valeu!

Oiiii! Que bom que estás aqui comigo. Valeu!
Muito obrigada pela visita. Volta!