domingo, 18 de junho de 2017

Não falar tanto nele?








Não falar tanto nele?
Mãe Lola, 13.06.2017

Não falar tanto nele?

Me faz bem falar
Me faz bem lembrar
E compartilhar
A saudade do filho

Ela se despedaça
E tu me ajudas
A carregar um pedaço

Faço assim
Para dar conta de mim
Para acalmar

Falar
É meu calmante
É meu socorro.

Socorro!!
Se eu não falar
Eu também morro!!

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Nossas conversas


















Nossas conversas
(mãe Lola, 06.06.2017)

Nossas intermináveis
Conversas no face

Nossas inimagináveis
Conversas no watsapp

Nossas adoráveis
Conversas ao vivo

Vivo
Com estas lembranças
E por elas
Ainda vivo!


sexta-feira, 9 de junho de 2017

Ter saudade do filho que se foi










Ter saudade do filho que se foi
(Mãe Lola, 26.05.2017)                      



 Ter saudade do filho que se foi
É dizer aqueles “Te amo, meu filho”
Ditos tantas vezes
Como se ele ainda
Estivesse ouvindo

Ter saudade do filho que se foi
É ouvir aqueles “Te amo, mãe”
Escutados tantas vezes
Como se ele ainda
Estivesse dizendo

Ter saudade do filho que se foi
É lembrar a sua voz firme, segura
Mas doce

Ter saudade do filho que se foi
É lembrar suas ideias revolucionárias
Sempre libertárias
E tão cheias de ternura
(“Hai que endurecerse,
Pero sin perder la ternura jamás”)

Ter saudade do filho que se foi
É escrever poesia no caderninho
Presente dele
Com a dedicatória inteligente dele:
“Escreva, Lola! Escreva!”

Ter saudade do filho que se foi
É viver intensamente em nome dele
Sabendo o quanto ele queria viver
E ser feliz!

Ter saudade do filho que se foi
É respirar muito fundo
E num profundo lamento de dor
E de amor
Perceber que aquele sem fim
De angústia
De ansiedade
E sofrimento
(doença tormento)
Não mais
Tem poder
Sobre ele
E que ele
Descansa em paz!

Oiiii! Que bom que estás aqui comigo. Valeu!

Oiiii! Que bom que estás aqui comigo. Valeu!
Muito obrigada pela visita. Volta!