segunda-feira, 18 de março de 2013

Velha lanterna enferrujada



Velha lanterna enferrujada
(Lola, 13.09.1987)


Velha lanterna enferrujada
Pendurada na varanda
Lá pras bandas
Do fogão

És eterna na memória
Lembrada pela história
Que iluminaste
Fraquinha
Com tua chama
Fininha
Que chama à lembrança
De tanta herança
De casos
E cousas
Causados sob tua chama
Contados sob tua chama

Tu não me enganas,
Lanterna enferrujada

Não pareces nada
Mas nada deixaste de iluminar
Queimando a tua própria vida
Para que a vida
Fosse iluminada

Velha lanterna enferrujada
Ilumina ainda
As esquinas
Que o progresso
Ainda não ilumina

Divina missão é a tua
Velha lanterna enferrujada
Pois ainda iluminas
As ruas
As calçadas
Os galpões
Os porões
Os barracos
Os buracos
Onde se busca
Uma nova sociedade
Que rebusca os valores
Que já iluminaste
Na história

E a vitória virá
E a vitória iluminarás,
Velha lanterna enferrujada!





11 comentários:

  1. Que linda poesia! Quando as luzes vinham das lanternas, as estrelas brilhavam mais, e passávamos mais tempo lá fora, a contemplá-las...

    ResponderExcluir
  2. Olá, Lola. Muito bacana o seu blog! Agradeço sua leitura e seu comentário sobre meu texto. Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Minha Amiga de guerras e lutas ...Venho matar a saudade dos teus belos versos e deixar-te meu carinho ..Um belo beijo Pedro Pugliese

    ResponderExcluir
  4. Preciosa Poesía a esta Velha lanterna enferrujada.
    ¡Cuantas cosas habrá iluminado y cuantas se habrá callado!
    ¡¡¡Ojalá que alumbre Uma nova sociedade que rebusca os valores que já iluminou na historia!!!...Seguro que la Vitória virá e a Vitória iluminará...Precioso y Original lo que te ha surgido por una simple y mágica Linterna.
    Abraços e beijos.




    ResponderExcluir
  5. Belo poema, de apelo à Luz...essa luz que nos pode guiar pelos trilhos da vida...
    Grata querida Lola por se ter adicionado ao meu blog e pelo comentário carinhoso que me deixou.

    Um grande beijinho com muito carinho***

    ResponderExcluir
  6. Engraçado como não nos lembramos de tempo algum. Apenas nos lembramos de espaços, situações e de coisas. São preciosos os seus versos. É sempre bom vir aqui.
    Abraços.
    Gilson.

    ResponderExcluir
  7. Lola ,

    Sua escrita é terna e bela .
    Gostei bastante do poema .
    Agradeço pela partilha .
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. MINHA LINDA !!!!
    PASSANDO PARA LER TEUS ESCRITOS ,DO QUAL SOU UMA ADMIRADORA ...LINDO !
    BJSSSSSSSSSSS

    ResponderExcluir
  9. Folhas de Outono está aqui,para ler mais uma postagem que escreves com maestria e aproveito para parabenizar o dia do Blogueiro,então nada mais justo do que vir até aqui para parabenizá-los.
    Que continuemos, por muitos e muitos anos,
    colaborando com uma Blogosfera ética,
    sem plágio e unida.
    Um viva pra você e um viva pra todos nós !!!!

    ResponderExcluir
  10. “ENCONTRO COM A ACADEMIA”

    A Academia Machadense de Letras realizará durante suas reuniões, o “Encontro com a Academia”.
    Este acontecimento tem como objetivo, a interação e divulgação das manifestações culturais, através de debates com membros da nossa cidade e região.

    Contatos:
    Carlos Roberto de Souza
    machadocultural@gmail.com
    (35) 3295-6106
    (35) 8833-9255


    Você gostaria deter seu texto (poema, conto, prosa, ensaio, matérias de cultura em geral, biografias de bandas, artesanato, turismo, artes plásticas, saúde, vida, sociedade...etc) no blog FANZINE EPISÓDIO CULTURAL?
    Envie seu texto com uma foto sua ou uma imagem relacionada ao texto para machadocultural@gmail.com

    Acesse o blog:
    HTTP://www.fanzineepisodiocultural.blogspot.com

    maluccat@hotmail.com; flaviamariath@hotmail.com

    ResponderExcluir

Oiiii! Que bom que estás aqui comigo. Valeu!

Oiiii! Que bom que estás aqui comigo. Valeu!
Muito obrigada pela visita. Volta!