sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Nada pela metade




Nada pela metade
Lola

Não quero nada pela metade

Quero a verdade pura
Quero pura verdade
Nada pela metade

Quero a liberdade toda
Quero toda a liberdade
Nada pela metade

Quero a dignidade perfeita
Quero perfeita dignidade
Nada pela metade

Quero a honestidade sã
Quero sã honestidade
Nada pela metade

Se fosse pela metade
Eu daria a metade de mim
Eu seria a metade de mim
E eu não quero nada pela metade

Eu quero
Tudo de mim

... e da vida


6 comentários:

  1. Lindo, "nada pela metade", metade é quase sinônimo de nada!
    Amei ler amiga Lola!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  2. Muito lindo e queremos tudo, não metade ou parte.Entrega total! bjs, chica

    ResponderExcluir
  3. Tudo pela metade, ihhhhhhhhhhhhhh... dá não!

    Belo jogo de palavras, Lola!

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  4. Há coisas que só têm valor se forem inteiras...
    Belíssimo poema, minha querida amiga, gostei imenso.
    Louraini, bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. Lola,
    O seu poema ("Nada pela metade") está muito bom. Gostei muito. Parabéns.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Alguma coisas foram feita para serem completas, para seres completos. O que não transborda é muito pouco.
    Gostei muito dos teus escritos!
    Um terno abraço!

    ResponderExcluir

Oiiii! Que bom que estás aqui comigo. Valeu!

Oiiii! Que bom que estás aqui comigo. Valeu!
Muito obrigada pela visita. Volta!